top of page

Terapia de casal funciona?



Não é preciso esperar o relacionamento chegar à beira do precipício para pedir ajuda. Se não está dando conta, busque ajuda profissional e venha cuidar do seu relacionamento.  

 Veja se você se identifica:

No início era um “mar de rosas”, “benzinho pra cá, amorzinho pra lá”, mas agora as brigas não param, ou que pode ser pior, nem há mais brigas, o silêncio impera quando estão a sós, mas quando em grupo, reunião de família, todos estão felizes. Este silêncio pode ser que nem haja mais ânimo nem expectativa de que uma conversa possa ajudar. Os problemas podem ter sido gerados por uma gama de situações: infidelidade ou suspeita; esvaziamento da relação ( perda de interesse e até do prazer de conversar. Cada um fica nas suas atividades, como tv ou celular, e um dos dois quer resgatar o sentido de estar juntos); brigas frequentes ( se não há respeito e cuidado com o outro, o amor não resiste e vai embora); conflitos em geral (questões envolvendo dinheiro, relação difícil com os familiares ou na educação dos filhos; falta de sintonia sexual ( a insatisfação é quando um quer sempre, o outro não faz questão...) e por aí vai... Neste ponto que as coisas chegaram pode haver muita mágoa, ressentimento, insatisfação contaminando a rotina do dia a dia e gerando desgaste emocional onde sua saúde mental está abalada.

O terapeuta de casal é um mediador, não fã de um dos parceiros nem tampouco de juiz da situação ou dono da verdade. Ele é como um hacker que tenta entrar no software de cada um para buscar um pouco de convergência entre ambos e fazer a costura. Irá ajudar a identificar onde está o problema e ajudar a tentar descobrir formas de superação dos conflitos. O terapeuta de casal não sugere comportamentos, não dita o que cada parte deve fazer, mas trabalha como facilitador da comunicação.

As sessões são semanais com duração de 50 minutos. A princípio as primeiras sessões são utilizadas para entender a dinâmica da relação e se ter uma avaliação.

A Terapia Cognitiva com Casais envolve ajudar os mesmos a se conscientizarem dos pensamentos, crenças, esquemas e expectativas disfuncionais que ambos mantêm em seu relacionamento e que os levam à conflitos. As expectativas que trazem ao relacionamento serão um foco primário da terapia. Os relacionamentos disfuncionais, freqüentemente, ocorrem quando um ou ambos os parceiros mantêm crenças distorcidas ou expectativas irrealistas acerca de si mesmos, do parceiro e do relacionamento como um todo.

Ao longo do tempo, os casais, freqüentemente, chegam a conclusões negativas acerca dos comportamentos um do outro, o que pode levá-los a verem um ao outro sob uma perspectiva exclusivamente negativa. Isso pode levá-los a uma espiral contínua de interação conflitante e fazê-los discutir constantemente, ou até mesmo ignorar completamente um ao outro.

A Terapia com casais utiliza um conjunto de princípios e técnicas que visam mudar e expandir as perspectivas na interpretação dos significados e causas dos comportamentos dos parceiros. Além disso, o terapeuta “ensina” meios de comunicação e resolução de problemas, que, provavelmente, funcionarão melhor do que seu padrão atual.

Lembre-se: É muito comum que um dos parceiros não esteja disposto a se expor ou investir na relação, enquanto o outro está. Mas os dois precisam se mobilizarem  a está juntos na terapia. Até porque, se a indisposição permanece, o trabalho fica inviável.

Terapia para casal de namorados. O namoro é um momento de conhecimento tanto quanto o que se espera do outro como quanto ao que se pode oferecer. Vejo que cada vez mais os namorados desejam entendimento em seus relacionamentos e muitas vezes preferem o atendimento profissional do que tomarem decisões para toda um vida sem estarem bem certos de como esta relação está caminhando. Em outras situações os namorados já estão morando juntos, sendo um casal estável a algum tempo, e neste caso o sentimento pode estar muito mais afinado com um casal com casamento formal.

Então cuide-se!

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page